•.¸¸.ஐ Porto solidão

Os pés tocam o mar
Mas o pensamento, ah...
O pensamento navega pelo oceano.

A maresia anuvia a razão
É quando o coração fala
E a alma vagueia
Onde está o porto onde ela ancorava?

Os dedos dos pés seguram a areia
As asas da alma, a esperança do encontro
Vejo outros barcos passarem
Vejo outros portos chegarem
Mas nenhum me parece seguro.

A luz de um foral distante
Lembra-me de seus olhos
E ainda que me doa a saudade
Eu continuo seguindo...

16 comentários:



Inês disse...

Olá!
Que bela poesia, tão... atmosférica!
(Quase escutei o barulho das ondas...)
Um beijo!

HSLO disse...

Belooooooooo.


abraços


Hugo

Older disse...

Ja naveguei por mares assim, já fui barco e porto e também um pouco de mar.
Muito linda.
bjs

Cαmilα ♥ disse...

O poema casou-se perfeitamente com tão bela e significativa.

Saudade de você, Bru!

BeijO e otimo fds!

Sammyra Santana disse...

é duro sentir saudades... há quem goste, eu não!
mas, como diz lindamente o poema, é preciso seguir...
e a imagem então... doeu ver as feridas abertas pelas asas arrancadas...
=(
Beeeijo, flor!

Mundo The L. disse...

nossa...



parei só no título...







tão tocante...

.repita a dose. disse...

amei seu blog.. perfeito..

Marcia Paula disse...

Oi poetisa, tem um novo selo pra vc: muito muito romântico...BEIJÃO.

meus instantes e momentos disse...

lindo, lindo parabens pela poesia.
Maurizio

Anja Rakas disse...

Rasgaram-me as asas...e mesmo assim teu amor tenta coze-las...obrigada.

Beijao

Opuntia disse...

Lindo poema! Tocou-me a alma.

lua prateada disse...

Sim... e deves seguir sempre pois porto segro nem aquele que mais nos parece por vezes não existe...
Beijinho prateado

SOL

Diogo Caceres disse...

Oi Brunella, tudo bem?
Que bom retornar e encontrar palavras assim, emanando sentimentos do fundo do coração!!
Que possamos sempre aportar no cais do coração e aproveitar a paisagem do oceano da vida!!
Grande abraço!!

Nilson Barcelli disse...

Não há porto que fique sempre em solidão... há sempre um farol que nos indica a rota a seguir...
Gostei imenso do seu poema.
Querida amiga, boa semana.
Beijo.

O Profeta disse...

...Às vezes uma intensa alucinação
Em que viajas pelo meu eu
Às vezes o mundo fica em espera
Da união do mar com o céu

Onde param os teus anseios
Onde encontras a sublime calma
Nestes dias de dura tormenta
Onde aqueces a tua alma?

Voa comigo...


Mágico beijo

Analuka disse...

Olhos podem parecer faróis... próximos ou distantes... e às vezes somos nós que decidimos a distância, o espaço, a possibilidade de aproximação , ou o afastamento... Abraços alados!